Notícias

O que reserva o futuro para a fábrica da VW Autoeuropa em Portugal?

Autovista24 | 13 Oct 2021

Sobre o autor

Autovista24

Autovista24 provides specialist information for Europe’s automotive decision makers. The platform hosts news analysis, original research, interviews, webinars, videos and podcasts. Autovista24 journalists combine proprietary data with timely research and analysis – all while tapping into Autovista Group’s pan-European team of automotive experts to ensure that users benefit from highly-relevant content.

Autoeuropa

A unidade de produção de veículos da Volkswagen (VW) em Portugal, Autoeuropa, é um dos pilares da indústria da manufatura portuguesa e da economia do país em geral. Mas será que enfrenta um futuro incerto? José Pontes, diretor de dados da EV-volumes.com, examina as perspetivas da empresa sediada em Palmela.

A Autoeuropa é uma peça vital da economia portuguesa. Sendo o principal exportador de veículos, foi responsável por 1,4% do PIB de Portugal em 2020. No local estão empregadas mais de 5.000 pessoas, 98% das quais estão efetivas. Há até quem tenha referido a necessidade de não uma, mas cinco estruturas deste calibre, para que o país possa desenvolver uma economia mais competitiva.

Pois embora o turismo proporcione a criação de muitos trabalhos em Portugal existe uma necessidade de vagas para trabalhos com salários capazes de igualar os dos países mais desenvolvidos. O que significa produzir produtos e serviços de elevado valor, tal como a Autoeuropa produz.

Ainda assim, e embora seja uma verdadeira referência na área da produção em Portugal, as perspetivas para a fábrica são incertas. O jornal online Eco, em março, citou Miguel Sanches, diretor geral da fábrica. Que considerando o início de um novo ciclo de produção, alertou para um “clima de grande incerteza e vulnerabilidade global devido à pandemia, e para um contexto de mudança na indústria automóvel”. Acrescentou ainda que: “teremos de encontrar argumentos para nos posicionarmos de forma competitiva em relação à concentração da capacidade de produção na Europa Central”.

Fabrico de diversos modelos

Durante anos a Autoeuropa fabricou vários modelos simultaneamente. A partir de 1995, surgiram o VW Sharan, o SEAT Alhambra e a Ford Galaxy. Mas depois de perder o modelo da Ford, a fábrica começou a construir o VW Eos em 2006 e o Scirocco em 2008. Quando o fabrico comercial destes dois modelos terminou, começou a produção do SUV compacto, e do VW T-Roc, em 2017.

À medida que a produção do VW Sharan e do SEAT Alhambra chegou ao fim, no ano passado, o T-Roc tornou-se o principal produto produzido em Palmela, fazendo com que a fábrica ficasse mais suscetível aos ventos da mudança presenciados na indústria automóvel atualmente, incluindo a eletrificação e a digitalização.

Em agosto de 2021, 22% dos registos europeus de automóveis de passageiros eram veículos de carregamento elétrico (VEs), 12% dos quais eram veículos elétricos a bateria (BEV). As marcas de automóveis estão a pôr termo à produção de modelos de combustíveis fósseis, com várias marcas já a anunciar que as próximas gerações dos seus modelos mais vendidos serão 100% elétricos. Então como é que isto afeta a Autoeuropa?

Fabrico de baterias

O novo conceito de comercialização em massa do BEV da VW, o ID.Life, foi revelado na IAA Mobility há apenas algumas semanas. A sua produção está prevista, dentro de três anos, na fábrica da SEAT da Catalunha. As versões da Cupra e da Skoda do mesmo modelo também lá serão construídas.

Isto deixa a Autoeuropa dependente do T-Roc, que por esta altura se encontra no mercado há já sete anos, e que se aproxima do fim da sua vida comercial. Para piorar a situação, Portugal não têm quaisquer planos para giga fábricas de baterias, tal como pode ser visto no mapa publicado pela Battery-news.de.

A bateria é um componente elétrico essencial, o bom senso dita que as instalações de produção devem ser perto de uma fábrica de VEs. Mas sem planos para um local de fabrico de baterias próximo de Palmela, o futuro da Autoeuropa levanta muitas dúvidas.

Este é um tema fundamental que está em falta na agenda de Portugal, que pelo contrário, noutros países europeus, em particular na sua vizinha Espanha, já estão a ponderar a construção de giga fábricas. A Espanha já percebeu que sem fábricas para fabricar baterias próximas do local não haverá fabrico de automóveis.

Em Itália, o construtor de giga fábricas Italvolt estabeleceu uma parceria com a empresa de tecnologia ABB. As duas empresas pretendem levar a eletrificação e automatização a um local de 100 hectares no norte do país.

Sem eletrificação, a probabilidade é que para a VW, será muito mais fácil fechar uma fábrica num país com um mercado pequeno, como Portugal, do que em países como a Espanha ou a Polónia.

O futuro de Portugal

Com o sucessor esperado do T-Roc, o ID.2, a ser fabricado na Catalunha, não há solução imediata para a fábrica de Palmela. Investir fundos do Plano de Recuperação e Resiliência Português (PRR) numa fábrica de baterias local seria, portanto, sensato. Isto reforçaria o futuro da Autoeuropa e poderia atrair outros fabricantes para Portugal, nomeadamente Fabricantes de Equipamentos Originais chineses, que se estão a preparar para entrar no mercado europeu.

Se não for feito qualquer investimento é provável que o país perca a corrida para a sua competição que é mais diligente. Por exemplo, o presidente da SEAT, Wayne Griffiths, está a pressionar o governo espanhol para assegurar que a fábrica da SEAT na Catalunha seja reconhecida nos esforços de recuperação espanhóis:

Tal mudança permitiria à VW realizar a sua ambição de produzir VEs em massa porque, juntamente com o ID.2, há também a questão de onde fabricar o VW ID.1 Este modelo mais pequeno poderia tomar o lugar do T-Roc na Autoeuropa, mas para que isso aconteça é imperativo uma giga fábrica de baterias.

Este conteúdo foi-lhe apresentado pela Autovista24.

Note-se que este artigo é uma tradução do original publicado em inglês na Autovista24 e, por conseguinte, poderá conter pequenos erros ortográficos. Caso verifique qualquer discrepância ou inconsistência entre o original e a tradução, a versão que prevalecerá será sempre a inglesa. 4. Este conteúdo foi-lhe apresentado pela Autovista24.

Também poderá ter interesse em

A ACEA aponta que é necessária a construção de 14.000 infraestruturas de carregamento público de VE, por semana

30 Mar 2022

A unanimidade não deixa dúvidas: A Europa precisa de mais postos de carregamento público para veículos eléctricos (VE) e assim lidar com o crescente aumento...

A aventura conjunta da Northvolt para desenvolver uma fábrica de lítio, em Portugal

19 Dec 2021

O fabricante de baterias Northvolt e a empresa Galp energia estão a criar uma parceria 50/50, esta aventura conjunta tem o nome de Aurora. O...

Como é que os esforços da Europa para reduzir as emissões de CO2 irão afetar a indústria automóvel?

21 Jul 2022

O editor da Autovista24, Phil Curry, explica como as propostas da Europa em matéria de redução das emissões de CO2 dos veículos automóveis irão afetar...

Sim, inscreva-me na Autovista24

* Obligatorio


Inscreva-se para receber o seguinte email:
Autovista24: Leitura essencial sobre automóveis dados e conhecimento - uma atualização diária do novo site da Autovista24 foi enviada por Autovista Ltd, em inglês.

Os nossos e-mails utilizam pixels para monitorizar sempre que abre, encaminha ou clica nos URLs dos nossos e-mails. Isto ajuda-nos a monitorizar e medir o desempenho e eficácia dos nossos e-mails. A combinação disto com as informações fornecidas acima e as suas informações de navegação permite-nos adaptar e melhorar o nosso marketing e personalizar a sua experiência de utilizador no nosso website. Ao inscrever-se, está a consentir a utilização dos seus dados com a finalidade de lhe enviar emails personalizados e a utilização de pixels de seguimento. Pode revogar o seu consentimento para receber os nossos emails e respetivo seguimento em qualquer altura, carregue neste link para o nosso Centro de Preferências de email e atualize as suas preferências. Para informações adicionais sobre o processamento dos seus dados pessoais, consulte a Política de Privacidade do Grupo Autovista e a Política de Privacidade da Eurotax.