Notícias

Será que os e-fuels são tão ecológicos quanto parecem?

Autovista24 | 16 Dec 2021

Sobre o autor

Autovista24

Autovista24 provides specialist information for Europe’s automotive decision makers. The platform hosts news analysis, original research, interviews, webinars, videos and podcasts. Autovista24 journalists combine proprietary data with timely research and analysis – all while tapping into Autovista Group’s pan-European team of automotive experts to ensure that users benefit from highly-relevant content.

Os críticos do motor de combustão interna (ICE) afirmam que é poluente, ineficiente e destinado a tornar-se num monte de sucata. Mas e se estas máquinas funcionarem mesmo com um combustível mais amigo do ambiente? Os defensores glorificam os e-fuels como a solução, permitindo aos modelos ICE prosseguir numa nova era de mobilidade mais ecológica.

Mas as credenciais ambientais dos combustíveis sintéticos estão sob escrutínio. O grupo ecologista, Transport and Environment (T&E), publicou recentemente alguns resultados de testes preocupantes. Testes laboratoriais levados a cabo pela organização descobriram que os e-fuels emitiam quantidades de óxidos de azoto (NOx) equivalentes à dos seus homólogos, os combustíveis fósseis.

Compreender os e-fuels

Mas como é que são produzidos os e-fuels, e o que os torna mais ecológicos face ao gasóleo e à gasolina normal? De acordo com a eFuel Alliance, a água divide-se em dois elementos, o hidrogénio e o oxigénio. O CO2 que é retirado do ar é então combinado com o hidrogénio resultante da divisão e convertido num líquido.

Após algum refinamento, este torna-se um e-fuel viável. Poderá ser utilizado como e-gasolina, e-diesel, e até mesmo e-combustível de aquecimento, preenchendo de forma eficaz o lugar dos combustíveis convencionais. Estes substitutos podem até mesmo ser misturados com a gasolina ou gasóleo normal, qualquer que seja a proporção desejada.

Este processo requer energia na forma de eletricidade, e é por isso que o seu processo de produção é conhecido como um processo de conversão da energia em líquido. Para que os e-fuels possam ser considerados neutros do ponto de vista ecológico estes deveriam utilizar energia elétrica criada através de fontes renováveis e apenas emitir tanto CO2 quanto o que é utilizado na sua produção.

Os e-fuels são ecológicos?

Ao testar os e-fuels descobriu-se que estes emitem tanto NOx quanto um modelo comum a gasolina E10, e muito mais monóxido de carbono. Os e-fuels também produzem duas vezes mais quantidade de amónia. Podendo combinar-se com outros compostos para formar partículas, para as quais não existe um nível seguro de poluição. Enquanto as emissões de partículas ficam consideravelmente reduzidas, mais de dois mil milhões continuam a ser emitidas por cada quilómetro conduzido.

Tais credenciais ecológicas dos e-fuels foram questionadas pela T&E comissionada pelo IFP Energies Nouvelles (IFPEN) que realizou uma série de testes de laboratório com diferentes misturas de e-gasolina, utilizadas num Classe A da Mercedes-Benz. Os testes simularam condições de condução reais de acordo as medidas do WLTC (Procedimento Mundial Harmonizado de Teste de Veículos) e das RDE (Emissões Reais de Condução). O IFPEN teve de misturar três e-fuels pois não estava disponível qualquer tipo de e-gasolina no mercado.

Fonte: T&E

“Por mais voltas que se deem, nenhuma delas é capaz de superar a ciência da combustão de hidrocarbonetos. Enquanto a combustão do combustível continuar a ser feita no interior dos motores, a toxicidade do ar persistirá nas nossas cidades” disse Julia Poliscanova, diretora sénior da e-mobilidade e veículos na T&E. “Os legisladores que deixam lacunas para os e-fuels nos objetivos de emissões de veículos estão a condenar o público a mais décadas de poluição atmosférica evitável”.

Escassez e custo

A T&E também declarou que as propostas para as lacunas onde se inserem os e-fuels nas metas de CO2 dos automóveis da UE irão aumentar os custos para os condutores. O grupo ecologista calculou que a condução de um carro com combustível sintético durante cinco anos poderia custar a um condutor mais 10.000 € do que a condução de um veículo elétrico a bateria (BEV). Os custos elevados também tornarão mais cara a circulação de carros em segunda mão em cerca de 10.000 € durante o mesmo período.

O grupo destaca ainda que não há atualmente gasolina sintética disponível à venda. Mas até mesmo a produção de e-fuels pode ser vista com um passo atrás em termos de eficiência. Aliás, fornecer apenas 10% dos automóveis novos com e-fuels, em vez de os eletrificar, exigirá mais 23% de produção de eletricidade de fontes renováveis na Europa. Contudo, a T&E não descartou completamente a hipótese dos combustíveis sintéticos. Referindo que os combustíveis sintéticos podem ser utilizados em aviões dado que estes continuam a depender de combustíveis fósseis. 

“Os e-fuels perderam a corrida para serem os veículos mais ecológicos, mas para falar a verdade nunca estiveram perto de o conseguir. Os veículos elétricos a bateria, oferecem aos condutores a forma mais limpa, mais eficiente e acessível de descarbonizar, enquanto os combustíveis sintéticos são mais adequados para aviões onde a eletrificação não é uma opção. Está em jogo a credibilidade da Europa na sua política para veículos mais limpos e qualquer diversificação para e-fuels é vista como uma lufada de ar fresco face aos velhos e poluentes motores,” acrescentou Poliscanova.

A forma de pensar da Mazda

A Mazda já está concentrada na produção de motores eficientes e quer que todos os seus veículos utilizem baterias até 2030. No entanto, em fevereiro, tornaram-se os primeiros fabricantes de automóveis a juntar-se à eFuel Alliance. O fabricante de carros deu ênfase à importância de reduzir as emissões tanto quanto possível, sem ignorar quaisquer outros caminhos para uma mobilidade mais ecológica.

Quando abordada pela Autovista24 sobre os resultados do estudo da T&E, a Mazda reconfirmou o seu compromisso com os e-fuels. Não comentaremos o relatório exceto para dizer que continuamos a acreditar nos verdadeiros e-fuels como forma de reduzir as emissões de CO2 e facilitar a transição para uma mobilidade limpa’, explicou um porta-voz da Mazda.

Os e-fuels, produzidos a partir de fontes de energia renováveis, proporcionam uma redução significativa das emissões de CO2 durante o ciclo de vida e um funcionamento neutro em termos de CO2, tanto para os veículos elétricos existentes como para os novos e, embora a eletrificação seja uma solução eficaz para reduzir as emissões nas áreas urbanas e para os veículos mais pequenos, os combustíveis renováveis proporcionam benefícios para diversas formas de transporte, especialmente para viagens de longa distância e carros maiores”, acrescentou o fabricante de automóveis. “Os combustíveis renováveis são totalmente compatíveis e podem ser misturados com os combustíveis existentes. Estes também partilham a mesma infraestrutura, por conseguinte, podem servir-se da extensa rede de bombas de gasolina existentes.”

Embora a venda de novos motores com modelos ICE tenha o seu término previsto na Europa para 2035, isso não significa que os veículos a gasolina e a diesel deixem de circular e desaparecer das estradas. O porta-voz da Mazda destacou que os combustíveis renováveis podem ajudar a melhorar o desempenho destes automóveis, ajudando a acelerar a descarbonização dos transportes.

Este conteúdo foi-lhe apresentado pela Autovista24.

Note-se que este artigo é uma tradução do original publicado em inglês na Autovista24 e, por conseguinte, poderá conter pequenos erros ortográficos. Caso verifique qualquer discrepância ou inconsistência entre o original e a tradução, a versão que prevalecerá será sempre a inglesa.

Também poderá ter interesse em

A aventura conjunta da Northvolt para desenvolver uma fábrica de lítio, em Portugal

19 Dec 2021

O fabricante de baterias Northvolt e a empresa Galp energia estão a criar uma parceria 50/50, esta aventura conjunta tem o nome de Aurora. O...

O que reserva o futuro para a fábrica da VW Autoeuropa em Portugal?

13 Oct 2021

A unidade de produção de veículos da Volkswagen (VW) em Portugal, Autoeuropa, é um dos pilares da indústria da manufatura portuguesa e da economia do...

A ACEA aponta que é necessária a construção de 14.000 infraestruturas de carregamento público de VE, por semana

30 Mar 2022

A unanimidade não deixa dúvidas: A Europa precisa de mais postos de carregamento público para veículos eléctricos (VE) e assim lidar com o crescente aumento...

Sim, inscreva-me na Autovista24

* Obligatorio


Inscreva-se para receber o seguinte email:
Autovista24: Leitura essencial sobre automóveis dados e conhecimento - uma atualização diária do novo site da Autovista24 foi enviada por Autovista Ltd, em inglês.

Os nossos e-mails utilizam pixels para monitorizar sempre que abre, encaminha ou clica nos URLs dos nossos e-mails. Isto ajuda-nos a monitorizar e medir o desempenho e eficácia dos nossos e-mails. A combinação disto com as informações fornecidas acima e as suas informações de navegação permite-nos adaptar e melhorar o nosso marketing e personalizar a sua experiência de utilizador no nosso website. Ao inscrever-se, está a consentir a utilização dos seus dados com a finalidade de lhe enviar emails personalizados e a utilização de pixels de seguimento. Pode revogar o seu consentimento para receber os nossos emails e respetivo seguimento em qualquer altura, carregue neste link para o nosso Centro de Preferências de email e atualize as suas preferências. Para informações adicionais sobre o processamento dos seus dados pessoais, consulte a Política de Privacidade do Grupo Autovista e a Política de Privacidade da Eurotax.